Comunicados de Imprensa

Sage cresce a nível global e põe foco na transição para o modelo SaaS

A Sage, líder de mercado em soluções de gestão empresarial na Cloud, apresentou ontem na Bolsa de Londres os seus resultados relativos ao ano fiscal de 2018, que terminou a 30 de setembro.

22 novembro 2018

Principais destaques:

  • Crescimento da receita orgânica de 6.8% e uma margem operacional orgânica de 27.8%;
  • Melhoria de desempenho no segundo semestre do FY18 com um maior foco na receita recorrente, impulsionada pelo modelo de subscrição, que veio acelerar o começo do FY19, uma vez corrigidos os problemas identificados no H118;
  • As receitas relacionadas com a plataforma Sage Business Cloud ascenderam aos 434 milhões de libras, registando um crescimento de 51%;
  • Durante o FY19, a empresa continuará a focar toda a sua atenção na transição para o modelo SaaS, com as prioridades operacionais identificadas para que tal seja possível.

Principais resultados no FY18:

  • Melhoria de desempenho no segundo semestre do ano fiscal 2018, com um crescimento orgânico das receitas de 7,0%, impulsionado pelo foco renovado no modelo de subscrição de alta qualidade e da receita recorrente. A destacar agosto e setembro, com um crescimento da receita recorrente superior a 7%, impulsionando o crescimento para o FY19;
  • Recuperação na região do Norte da Europa (Reino Unido & Irlanda), com aumentos sequenciais no crescimento da receita recorrente em todos os meses do H2 do FY18, e em França, que no Q4 do FY18 apresentou o trimestre mais forte desde o Q1 do FY16; também na América do Norte se registou um crescimento a dois dígitos nas receitas recorrentes e orgânicas;
  • Destaque para as soluções cloud connected, com um crescimento de 66% bem como as soluções cloud native, Sage Intact e Sage People, com um crescimento de 30% e de 49% respetivamente;

  • A receita recorrente representa 79% das receita totais e o modelo de software em subscrição é de 46%, face à receita total;
  • A margem orgânica operacional foi alcançada, registando 27.8%;
  • Forte free cash flow de 356 milhões de libras, 19% de receitas, ROCE de 23% e dívida líquida: o EBITDA reduziu para 1.2x. Aumento de 7% no dividendo ordinário de todo o ano para 16.50p, com uma política para manter os dividendos em termos reais de agora em diante;
  • As Sage Payroll Solutions, serviços de outsourcing para processamento de salários nos EU, estão agora classificadas como detidas para venda e excluídas dos números orgânicos.

Prioridades para FY19:

A estratégia da Sage passa por se tornar uma grande empresa de SaaS tanto para os Clientes como para os seus Colegas. A Sage fez progressos significativos na construção do negócio em SaaS, registando 46% das receitas de software em modelo de subscrição. No FY19 é essencial acelerar a transição para o modelo de negócio em SaaS e continuar a colocar no centro do negócio os Clientes, os Colegas e a inovação.

Ao estabelecer uma relação mais próxima com os seus Clientes e Colegas, a Sage impulsionará uma maior satisfação do Cliente e aumentará o valor destas relações.

Para tal, foi identificada uma série de prioridades-chave para o FY19:

1. Foco na inovação e e nas capacidades da plataforma Sage Business Cloud:

  • Aumento de recursos em R&D para uma evolução na plataforma Sage Business Cloud, incluindo tecnologia emergente;
  • Expandir a disponibilidade da Sage Business Cloud noutros mercados, avançando com a internacionalização da Sage Intacct, começando com a Austrália e o Reino Unido & Irlanda;
  • Destacar a oferta de serviços da Sage Business Cloud, para melhorar a experiência do utilizador, o processo de migração, os micro-serviços e a conectividade do sistema;
2. Melhorar a relação com os clientes e a experiência proporcionada, investindo nos melhores sistemas, ferramentas e formação para melhorar a informação de gestão disponibilizada aos Clientes.

O investimento acelerado nestas terá um impacto nas despesas operacionais à volta de 60 milhões de libras no FY19, com aproximadamente dois terços do investimento alocado ao produto e à inovação.

3. Simplificação do portfólio de produto para permitir uma maior foco na transição para a plataforma Sage Business Cloud, identificando modelos de criação de valor, através da Sage ou mediante acordos estratégicos.

Steve Hare, CEO da Sage, afirma: “A Sage melhorou o seu desempenho na segunda metade do ano fiscal 2018. O foco nas receitas recorrentes e em subscrição geraram um grande impulso no fecho do ano. Enquanto CEO, terei os meus clientes, colegas e a inovação no centro de tudo o que fizermos por forma a acelerar a transição e tornarmo-nos um negócio SaaS de excelência. Isso implica um maior investimento de recursos na Sage Business Cloud, um compromisso contínuo com o sucesso dos clientes e uma cultura que valoriza os indivíduos e promove a colaboração. Um aumento dos investimentos nestas áreas vai conduzir à aceleração do crescimento sustentável e de elevada qualidade das receitas recorrentes.”




Sage © The Sage Group plc 2018 . Todos os direitos reservados